Compartilhe o nosso portal

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

São Luís (MA), 28 de novembro de 2020

Politicamente correto em live, Eduardo Costa esquece de ser Eduardo Costa

Ele é fruto do campo, da pobreza, e tem uma enorme falta de bom senso. Ele é absolutamente infeliz nas palavras
O cantor Eduardo costa faz live comportada
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Eduardo Costa nasceu para a indústria musical graças à pirataria de CDs no final dos anos 1990. Ele gravou um CD e um charlatão colocou a imagem de Zezé Di Camargo para vender. O trabalho explodiu nos puteiros, porta-malas de carros e nos ambientes mais populares do país.

Ele é fruto do campo, da pobreza, e tem uma enorme falta de bom senso. Ele é absolutamente infeliz nas palavras. No dia que eu fui à casa dele, ele me recebeu da seguinte maneira: “Tem cocaína aí, quer?”. Meu silêncio respondeu, até porque sabia que ele não usa droga.

O resultado da live do “Cabaré” foi um caos. Ele chorou, ameaçou abandonar a carreira e até cancelou a live seguinte. Famoso pelo romantismo, ele escolheu o Dia dos Namorados para cantar. Ele queria que o foco fosse a música, e não ele.

Eduardo Costa, que sonha em ser ator de Hollywood (acredite), apareceu de dreads nos cabelos para parecer sei lá o quê. Inspiração no cinema, fato. Foram 80% de sucessos próprios, audiência dentro da expectativas, primeiro lugar no Twitter e seis grandes empresas patrocinando.

Resultado super positivo. Correto? Mais ou menos. A Coluna Leo Dias adora suas asneiras, suas bizarrices e seu linguajar. Eduardo fala a língua do Brasil. Ele fala a língua dos botecos. E isso acaba sendo divertido.

Na live, Eduardo Costa era outro. Falou pouco, cantou pouco e limitou-se a contar histórias publicáveis de seus relacionamentos. Eduardo não foi Eduardo. Vale criticar algo: há uma clara busca na imprensa por notícias polêmicas e que não foca na música, mas o sucesso da pessoa, deve-se a ela.

Numa sociedade politicamente correta, Eduardo está fora das pautas. Mas quem sou eu para criticar alguém que é politicamente incorreto? Tudo tem limite. Eduardo (e eu) precisamos só de um limite.

Veja também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *