Compartilhe o nosso portal

São Luís (MA), 4 de junho de 2024

Buriticupu, a cidade no Maranhão que está sendo engolida pela terra

A união de vários fatores fez com que esta localidade fosse ameaçada pelo raro fenômeno geológico das voçorocas. Se não for feito o necessário para evitar isso, a cidade desaparecerá do planeta em algumas décadas.
desmatamento
O desmatamento agressivo é uma das principais causas da erosão do solo.

Gloria MartínGloria Martín Meteored Espanha

Buriticupu, uma cidade de 73 mil habitantes localizada no estado do Maranhão corre o risco de colapsar daqui a 30 ou 40 anos, se as causas que estão causando a erosão da terra não forem detidas.

As altas taxas de desmatamento que afetam esta cidade devido à intensa exploração madeireira das últimas décadas limitaram a capacidade do solo de absorver umidade, agravando um processo erosivo que já fez desaparecer casas e estradas devido ao crescimento das chamadas voçorocas.

youtube video id=H3qQmPq6PYY

O que são as voçorocas?

As voçorocas (“terra rasgada” na língua indígena tupi-guarani) são um fenômeno geológico relacionado ao mau planejamento urbano e ao desmatamento agressivo. São causadas pelas chuvas e pelas intempéries de tempo em solos desprotegidos pela escassa vegetação, que são arrastados pelas enchentes, criando sulcos e, nos casos mais extremos, barrancos.

Erosão costeira é um processo difícil de ser detido. Como lidar com isso?

A formação desses barrancos pode ser evitada com o plantio de árvores para evitar que o fluxo de água arraste a terra e os sedimentos, que ficam retidos pelas raízes. Também mediante a escavação de caixas de retenção ou drenagem para interromper o fluxo de água.

A mão do homem por trás desta ameaça

Buriticupu iniciou sua expansão na década de 1970 para facilitar o assentamento de trabalhadores rurais. É um município pobre onde as ruas se transformaram em canais por onde corre a água da chuva, abrindo e ampliando os enormes buracos que, aos poucos, vão engolindo a cidade.

Como em outras áreas do Brasil, o desmatamento contribuiu para problemas significativos de erosão. No caso de Buriticupu, uma série de circunstâncias confluem como uma bomba-relógio: uma geologia frágil caracterizada por solos pobres em nutrientes, formados sobre rochas sedimentares menos resistentes e propensas à erosão; um volume de chuvas superior a 2.000 litros por metro quadrado a cada ano; e um péssimo planejamento urbano, com construção de má qualidade e sem canais adequados para águas pluviais.

As chuvas torrenciais ocorridas em março desse ano fizeram com que 23 barrancos, de até 70 metros de profundidade e 600 metros de diâmetro, ameaçassem engolir 220 casas, deixando 880 residentes locais desalojados.

Devido a esses acontecimentos, o Ministério Público do Estado do Maranhão acionou a prefeitura do município. O motivo é o descumprimento de um acordo judicial assinado em abril de 2022, que exigia a adoção de uma série de medidas para impedir o avanço das voçorocas e garantir a segurança de quem reside nas áreas de maior risco.

O estado de catástrofe pública foi declarado na área pelo Ministério da Integração e Desenvolvimento Regional do Brasil.

Região Amazônica sob o risco de erosões

A floresta amazônica é uma região vital para o equilíbrio ambiental global e a regulação climática, mas a expansão da agricultura, da exploração madeireira e de outras atividades humanas levaram à perda da cobertura florestal.
A cobertura florestal na Amazônia desempenha um papel crucial na prevenção da erosão do solo. Árvores e plantas atuam como âncoras para o solo, absorvendo água e evitando que ela arraste a camada superior do solo durante chuvas fortes. Quando as árvores são derrubadas ou a vegetação é queimada, esta proteção natural é removida, aumentando o risco de erosão.

Desmatamento na Amazônia provoca forte aquecimento até em regiões distantes

Além disso, a perda de cobertura florestal afeta negativamente o ciclo da água na região. As árvores na Amazônia desempenham um papel importante na transpiração, ou seja, na liberação de vapor d’água na atmosfera. Este processo contribui para a formação de nuvens e chuva. A perda de árvores pode perturbar este ciclo, afetando os padrões de precipitação e agravando a erosão.

A erosão do solo na Amazônia também pode levar à sedimentação dos rios, afetando a qualidade da água e a vida aquática. Além disso, a degradação do solo pode tornar a terra menos produtiva para a agricultura a longo prazo.

Os esforços de conservação e gestão sustentável são essenciais para resolver essas questões e preservar a saúde ambiental da Amazônia. A implementação de práticas agrícolas amigas do ambiente, a proteção das áreas florestais e o desenvolvimento de um urbanismo responsável são medidas fundamentais para mitigar a erosão e promover a sustentabilidade na região.

Vídeos em Destaque

https://www.tempo.com/noticias/actualidade/buriticupu-a-cidade-no-maranhao-que-esta-sendo-engolida-pela-terra.html

Veja também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.